Seja Bem Vind@, Alta Floresta -

Procurando algo, pesquise aqui:

Redes sociais e 'twitteratura' aproximam o aluno do professor

sexta-feira, 1 de julho de 2011


Com informações rápidas em 140 caracteres e com uma infinidade de imagens, vídeos e links online, o maior desafio dos educadores atualmente é criar mecanismos que prendam a atenção dos alunos nos conteúdos escolares. Alguns professores perceberam que a solução para conquistar os estudantes é levar a sala de aula para o principal meio de socialização dos jovens: as redes sociais.

Enquanto o professor explica o conteúdo no quadro negro, os alunos recebem pelo microblog Twitter atualizações com links de imagens e vídeos relacionados ao que é ensinado. Depois, os alunos têm a tarefa de buscar informações adicionais e tuitar a descoberta para o educador. Assim, a escola vence as fronteiras da sala de aula e proporciona a estudantes e professores interagirem presencial e virtualmente.

O cenário descrito acima é considerado ideal para José Armando Valente, pesquisador do Núcleo de Informática Aplicada à Educação da Universidade de Capinas (Unicamp). Segundo ele, é nas redes sociais que os jovens buscam notícias, atualizações e também se relacionam com amigos. Por que não fazer uso deste meio para que eles socializem com os professores e busquem informações sobre os conteúdos aprendidos em sala de aula?

Muitos profissionais decidiram colocar a ideia em prática e acabaram conquistando a atenção dos alunos. É o caso de Roberto Carlos de Souza, professor de literatura que criou um concurso de "twitteratura" na escola Crescer PHD, de Vitória (ES). O projeto, aplicado nas turmas de ensino fundamental, consistia em publicar pequenos contos de 140 caracteres no Twitter. "Antes de realizar a atividade, eu dei duas aulas sobre redes sociais e expliquei a diferença da linguagem e da escrita utilizadas na sala de aula para aquelas usadas nas redes sociais", afirma o educador.

De acordo com o professor, cerca de 80% dos alunos se envolveram com a tarefa proposta e passaram a gostar mais das aulas de português. "Sempre tem aqueles mais tímidos que preferem não participar. Mas a grande maioria adorou", diz. Neste semestre, todos os professores da escola Crescer PHD recebem treinamento para começar a fazer uso do Twitter e do Facebook como ferramentas de contato com os alunos fora da escola. "A ideia é estar sempre à disposição do aluno para tirar dúvidas, principalmente daqueles em fase de Enem e vestibular", conta Souza.
Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra

Nenhum comentário:

Comente você também sobre este assunto.